segunda-feira, 12 de maio de 2014

FUI MEXÊ NUS MARIMBONDO DU TEIADO QUI NUNCA MI DEXA MENTI

FUI MEXÊ NUS MARIMBONDO DU TEIADO QUI NUNCA MI DEXA MENTI, i quando fui atrás dumas poesia, me alembrei dus tempo qui eu mais meu irmão trabaiava na enxada lá prus lado da Chapada, como tô aí na foto 1. Mai du trabaio memo só vô falá dum piquete qui abri pra modi u seu dotô dá di comê à cem cabra di leite na sua roça, lá naquele beira-rio. Deu as ordis, foi viajá em romaria ca madame i pagá umas promessa lá prus lado di Bom Jesus da Lapa. Levô seis meis, pruquê, como disse, as promessa eram muitas. Quando vortô tava tudo prontim i nus conforme qui océis podi vê na foto2, rs. Inda hoje, já lá si vão mais di treis lustros, i ele ainda caça u gerente du banco pra modi podê comprá as baraúnas prus morão da cerca du pastim qui fiz na enxada, nu enxadão, na chibanca i na estrovenga. rs. Veja oceis a maravia qui é essa Chapada i qui u trabaio era pesado - pra muita terra i poca cabra. rsrs.
.
Já a otra lembrança foi dum passei qui fiz pra conhecê as cachoeira da redondeza. Das que mais gostei, uma foi a do Véu da Noiva e a otra a cachoeira do Ferro Doido, légua i meia adespois du Morro du Chapéu. Dessas uma, pra num cansá oceis di tanto vê foto, só dexo essa poesia qui ela mi inspirô:

LUÁ NUS SEUS CABELO.


eita nóis, qui bão qui é
vê a lua qui bria nu paió.
us óios num tem visão mió
qui a lua briando nus seus pé.

desmancho suas trança dus cabelos
i façu uma cortina pros meus óios
óio prá dentro u seu corpo di muié
i prá fora, as nuvis di prata casu houvé.

pras oreias dô u brinco Sete-Estrêlos
prás estrelas vão as areias dus abróios
das flô di chita, na buniteza da sua saia,
vem u chero qui dá chero à nossa paia.

nu, merguio nus seus óios poços d´água
riacho, desço us montis da sua serra
na caia, a juriti si móia nas anágua
na pele-flô do sol-si-pô da nossa terra

nóis i a lua nu ermo acorda us bicho
urra a onça lá na mata tão sem mágoa
desata us grilo e u cavalo nu relincho
a maritaca canta i no canto si deságua.

agora a lua qué vê onde eu ti ponho
calaru us bichos i não us meus disvelus
óia da janela i alumia nus seus sonhos
i eu fico a vê - u luá nus seus cabelus.

Marco Bastos.



FOTO 1
FOTO 2

2 comentários:

Maria Angela disse...

Bom dia Marcu! rs..Lindim seu veuso, di mininu desassussegado i xonado rss..ói que nóis tómen, temo aqui na nossa regiaum um morro do chapéu sô!Abraçu pro ce tirado do fundo do baú tar quar essa fotu bunita sua e du seu pai? Recordá é bão dimais, né não?

Marco Bastos disse...

Ô minina astrapaiada. Num vê qui u pai sô eu i qui o rapais é meu fio. Oxa, qui disassuntada é ocê! rsrs. É memo bão tê um morro di chapéu pur aí, pra modi num morrê dinsolação quando dé um veranico. rsrs. Brigado pela comparescença, cumadi Maria Ângela. inté mais. abraçu.